quinta-feira, 30 de julho de 2009

Primeiro Post

Congratulações a todos os visitantes. É com muito prazer que dou início a esse trabalho, já há muito em minha mente, de abrir espaço para todos os que, como eu, têm envolvimento com Sustentação Oral nos Tribunais.

Pretende-se, com essa iniciativa, abrir a oportunidade de debater o tema, apresentar idéias e, enfim, realizar comunicação direta com todos os advogados, procuradores e demais profissionais do Direito que tenham inclinação ou gostariam de se iniciar nessa que reputo a arte mais prazerosa de nosso trabalho.

Aproveito o ensejo para, ao mesmo tempo em que justifico a escolha do tema, apresentar um caso que reputo fundamental para o início dos debates.

Durante a realização de uma das disciplinas obrigatórias na pós-graduação da Faculdade de Direito da USP, um dos professores, renomado e famoso Desembargador do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (incrível como a mania de endereçar corretamente nos acompanha até nesses momentos menos sérios), disse, aos alunos, algo mais ou menos assim:

– Vocês, que são advogados, façam sempre sustentação oral. Nós, Desembargadores, temos muito trabalho, e vez por outra algo nos escapa. Com a sustentação oral, apresenta-se a oportunidade de enxergar pontos que, às vezes, fogem de nossa atenção.

Acho que esse comentário do Professor, além de auto-explicativo, serve como ponto de partida para nossa empreitada. Ouvi-lo só reforçou em mim a certeza – já instalada havia anos – de que realizar boas sustentações orais não é apenas recomendável: trata-se de medida indispensável ao êxito do recurso.

Gostaria, então, de ouvir relatos de experiências, dúvidas e quaisquer outros comentários relativos ao tema, como notícias e novas normas que eventualmente apareçam.

Aproveito, ainda, para dizer que teses e debates jurídicos que forem submetidos à apreciação poderão ser publicados aqui também, na medida da pertinência e do interesse que possam gerar.

Mas, no caso das teses, elas deverão ser curtas, como sói acontecer com as próprias sustentações.

A todos, muito obrigado pela visita e por ler este primeiro post, a partir do qual estão abertos os debates.

6 comentários:

Professor disse...

Parabéns pela iniciativa! Apesar de não atuar nessa área, tenho muita curiosidade em conhecer atividades como essa.

Fábio Groff disse...

Muito obrigado pelo apoio.

trivinho disse...

Parabéns pela criação do blog Fábio. Espero que aqui eu aprenda algo sobre essa prática, tão nebulosa para mim.

Fábio Groff disse...

Muito obrigado, meu amigo. Sua participação (somada a seu grande conhecimento), além de bem-vinda, somente enriquece este espaço.

Grande abraço.

direitointegral.com disse...

Prezado amigo,

Dois dos vídeos mais populares de Direito Integral são sustentações orais de advogados. Talvez lhe interesse vê-los. Ei-los:

1) Sustentação Oral do Dr. Luís Roberto Barroso: http://www.viddler.com/explore/DireitoIntegral/videos/32/280.639/
Análise do julgamento em:
http://www.direitointegral.com/2009/03/iss-leasing-arrendamento-mercantil-stf.html

2)Sustentação oral de Nélio Machado (HC Daniel Dantas):
http://www.viddler.com/explore/DireitoIntegral/videos/10/550.535/
Análise do julgamento em: http://www.direitointegral.com/2009/01/daniel-dantas-stf-habeas-corpus.html

Os estilos dos oradores são bastante distintos e, creio, ilustram bem a importância da sustentação oral.

Em "Aspectos Polêmicos (...), vol. 11, da RT, há um texto sobre o tema, de Sandro Gilbert Martins.

Grande abraço.

Fábio Groff disse...

Prezado amigo,

Muito obrigado pela colaboração. Já estava mesmo pensando em começar a publicar vídeos. Devo abrir, logo mais, um "marcador" específico para isso.

Postar um comentário